Os filhos do preso Narges Mohammadi recebem o Prêmio Nobel da Paz

O mais proeminente activista dos direitos humanos do Irão, Narges Mohammadi, iria receber o Prémio Nobel da Paz numa cerimónia em Oslo no domingo.

Mas, presa na prisão iraniana de Evin, Mohammadi, de 51 anos, não pôde comparecer e os seus filhos gémeos de 17 anos, Kiana Rahmani e Ali Rahmani, aceitaram a medalha e o diploma em seu nome e leram um discurso que ele pronunciou . preparado.

“Escrevo esta mensagem por trás dos muros altos e frios de uma prisão”, disse ele no seu discurso, apelando a uma “globalização da paz e dos direitos humanos” num mundo onde governos autoritários continuam a cometer abusos contra o seu povo.

Os filhos de Mohammadi não veem a mãe desde 2015, quando fugiram do Irão para França, e não conseguem falar com ela há dois anos, depois de as autoridades prisionais iranianas a proibirem de contacto telefónico com eles, de acordo com a PEN America, uma grupo de liberdade de expressão.

No discurso, que foi recebido com uma ovação de pé, Mohammadi descreveu os costumes antidemocráticos da república islâmica, as suas regras opressivas que exigem o uso do hijab para as mulheres e as revoltas lideradas por mulheres que abalaram o país no ano passado.

Alertou que as violações dos direitos humanos por parte de governos autoritários tiveram consequências mais amplas, incluindo migração, agitação e crescentes ameaças terroristas.

“No mundo globalizado, ou os direitos humanos serão respeitados internacionalmente ou as violações dos direitos humanos continuarão a espalhar-se através das fronteiras dos estados”, disse ele.

Um retrato da Sra. Mohammadi foi pendurado na parede da Prefeitura de Oslo durante a cerimônia, que incluiu apresentações de músicos iranianos.

No seu discurso, a activista iraniana dos direitos humanos também falou do “sofrimento doloroso resultante da falta de liberdade, igualdade e democracia” no seu país, perpetrado por um “governo religioso despótico”.

“A tirania transforma a vida em morte, a bênção em lamentação e o conforto em tormento”, disse ele.

O governo autoritário do Irão há muito que procura silenciar e punir a Sra. Mohammadi pelo seu activismo e ela está actualmente a cumprir uma longa pena de prisão por “espalhar propaganda anti-Estado”.

No sábado, a família da Sra. Mohammadi anunciou que tinha feito greve de fome para protestar contra a violação dos direitos humanos no Irão e o tratamento dispensado à minoria religiosa bahá’í naquele país. Anteriormente, ele sofreu sérios problemas de saúde na prisão, incluindo um ataque cardíaco.

No mês passado, ela fez outra greve de fome para protestar contra a recusa das autoridades prisionais em levá-la a um hospital para tratamento de duas artérias coronárias bloqueadas, quando ela se recusou a usar o hijab obrigatório para ir até lá.

Apesar da sua detenção, ela continua a ser uma voz poderosa na promoção dos direitos humanos no Irão e, em Outubro, recebeu o Prémio Nobel da Paz pela sua luta contra a opressão das mulheres no Irão e pela sua promoção da liberdade e dos direitos humanos.

Enquanto grandes protestos abalavam o Irão no ano passado, depois de uma jovem, Mahsa Amini, ter morrido sob custódia da polícia moral do país depois de ser acusada de não usar o hijab adequadamente, a Sra. Mohammadi organizou manifestações dentro da prisão.

Omid Memarian, jornalista iraniano e activista dos direitos humanos que esteve em Oslo no domingo, disse que a luta de Mohammadi destacou a justaposição entre “a crueldade de um governo” e “a resistência inabalável dos activistas”.

A sua ausência de Oslo, acrescentou numa mensagem, “revela o desprezo do governo iraniano pelos direitos humanos”.

A PEN America já havia escrito uma carta aberta pedindo ao governo iraniano que libertasse a Sra. Mohammadi a tempo para que ela pudesse comparecer à cerimônia do Nobel.

“O governo do Irão prefere o espetáculo humilhante de ter o mundo a homenageá-la à revelia, em vez do risco de permitir que ela diga o que pensa”, disse Suzanne Nossel, diretora do PEN América, que participou na cerimónia do Nobel no domingo, num comunicado.

Rahmani disse que poder fazer o discurso na cerimônia lhe deu um sentimento de conexão com sua mãe.

“Suas próprias palavras em minhas mãos”, disse ele no sábado em entrevista ao Centro Nobel da Paz. “É muito bom finalmente receber algo da minha mãe.”

Numa carta escrita após receber o prémio, que a sua filha também leu na altura, a Sra. Mohammadi falou sobre a sua vida e o seu activismo. Quando tinha 9 anos, disse ela, ouviu a mãe chorar após a execução da sobrinha; Aos 19 anos ela foi presa por usar um casaco laranja.

“Desde a nossa infância estamos expostos à dominação, à violência flagrante e oculta, à tirania e à discriminação”, disse ele.

O anúncio do Nobel em Outubro foi transmitido pela televisão estatal iraniana na ala feminina da prisão de Evin, disse ela, e as suas colegas de cela entoaram um dos slogans dos protestos nacionais que eclodiram no ano passado: ““Mulher, vida, liberdade!”

Ele disse que o prémio marcou um ponto de viragem no empoderamento dos protestos e movimentos sociais em todo o mundo como forças de mudança.

“A vitória não é fácil”, disse Mohammadi. “Mas é certo”.

Leily Nikounazar contribuiu com relatórios de Bruxelas.


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *