O problema da dívida é enorme. Especialistas dizem que o sistema para repará-lo está quebrado

Martín Guzmán era calouro na Universidade Nacional de La Plata, Argentina, em 2001, quando uma crise da dívida levou a inadimplências, tumultos e uma depressão devastadora. Uma classe média atordoada sofreu a ruína quando o Fundo Monetário Internacional insistiu que o governo fizesse cortes orçamentais que induziam a miséria em troca de um resgate.

Ver a Argentina desmoronar inspirou Guzmán a mudar de carreira e estudar economia. Quase duas décadas depois, quando o governo voltou a falir, foi Guzmán, como ministro das Finanças, quem negociou com responsáveis ​​do FMI a reestruturação de uma dívida de 44 mil milhões de dólares, resultado de um resgate anterior mal concebido.

Hoje ele é um dos vários economistas proeminentes e líderes mundiais que argumentam que o quadro ambicioso criado no final da Segunda Guerra Mundial para salvaguardar o crescimento económico e a estabilidade, tendo o FMI e o Banco Mundial como pilares, está a falhar na sua missão.

O sistema atual “contribui para uma economia global mais injusta e instável”, disse Guzmán, que renunciou no ano passado após uma ruptura dentro do governo.

O reembolso que Guzmán negociou foi o 22º acordo entre a Argentina e o FMI. Ainda assim, a queda livre económica do país só aumentou com uma taxa de inflação anual de mais de 140 por cento, filas crescentes em cozinhas comunitárias e um novo presidente autoproclamado “anarco-capitalista”, Javier Milei, que esta semana desvalorizou a moeda em 50 por cento. .

O FMI e o Banco Mundial têm recebido queixas da esquerda e da direita desde a sua criação. Mas as críticas mais recentes levantam uma questão mais profunda: será que o quadro económico concebido há oito décadas se adapta à economia que existe hoje, quando novos conflitos geopolíticos colidem com relações económicas estabelecidas e as alterações climáticas representam uma ameaça iminente?

Este choque de ideias do século XXI sobre como consertar um sistema criado para um mundo do século XX é um dos mais importantes enfrentados pela economia global.

O FMI foi criado em 1944, numa conferência em Bretton Woods, New Hampshire, para ajudar a resgatar países em dificuldades financeiras, enquanto o Banco Mundial se concentrava na redução da pobreza e no investimento no desenvolvimento social. Os Estados Unidos eram a superpotência económica proeminente e dezenas de nações em desenvolvimento em África e na Ásia ainda não tinham conquistado a independência. A ideologia fundadora – mais tarde conhecida como “Consenso de Washington” – sustentava que a prosperidade dependia do comércio desimpedido, da desregulamentação e da primazia do investimento privado.

“Quase 80 anos depois, a arquitectura financeira global é obsoleta, disfuncional e injusta”, disse António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, este Verão, numa cimeira em Paris. “Mesmo os objectivos mais fundamentais sobre a fome e a pobreza regrediram após décadas de progresso.”

O mundo de hoje está geopoliticamente fragmentado. Mais de três quartos dos actuais países do FMI e do Banco Mundial não estiveram em Bretton Woods. A economia da China, em ruínas no final da Segunda Guerra Mundial, é agora a segunda maior do mundo, um motor do crescimento global e um centro crucial na maquinaria industrial e na cadeia de abastecimento mundial. A Índia, que ainda era uma colónia britânica, é uma das cinco principais economias do mundo.

O outrora alardeado “Consenso de Washington” caiu em descrédito, com um maior reconhecimento de como a desigualdade e o preconceito contra as mulheres prejudicam o crescimento, bem como a necessidade de uma acção colectiva sobre o clima.

O descompasso entre instituição e missão agravou-se nos últimos anos. Atingidos pela pandemia de Covid-19, pelo aumento dos preços dos alimentos e da energia relacionado com a guerra na Ucrânia e pelas taxas de juro mais elevadas, os países de rendimento baixo e médio estão mergulhados em dívidas e enfrentam um crescimento lento. A dimensão da economia global, bem como a extensão dos problemas, cresceram enormemente, mas o financiamento do FMI e do Banco Mundial não acompanhou o ritmo.

A resolução de crises de dívida também é muito mais complicada agora que a China e legiões de credores privados estão envolvidas, em vez de apenas um punhado de bancos ocidentais.

As próprias análises do Banco Mundial descrevem a extensão dos problemas económicos. “Para os países mais pobres, a dívida tornou-se um fardo quase incapacitante”, concluiu um relatório divulgado quarta-feira. Os países são forçados a gastar dinheiro no pagamento de juros em vez de investir na saúde pública, na educação e no ambiente.

E essa dívida não representa os biliões de dólares que os países em desenvolvimento necessitarão para mitigar a devastação das alterações climáticas.

Depois, há as tensões entre os Estados Unidos e a China, e a Rússia e a Europa e os seus aliados. É mais difícil resolver crises de dívida ou financiar grandes infra-estruturas sem enfrentar preocupações de segurança, como quando o Banco Mundial concedeu à gigante chinesa de telecomunicações Huawei um contrato que acabou por violar a política de sanções dos EUA, ou quando a China resistiu a acordos de reestruturação da dívida.

“O sistema global baseado em regras não foi construído para resolver conflitos comerciais com base na segurança nacional”, disse Gita Gopinath, a primeira vice-diretora-geral do FMI, num discurso na segunda-feira na Associação Económica Internacional na Colômbia. “Temos países que competem estrategicamente com regras amorfas e sem um árbitro eficaz”.

O Banco Mundial e o FMI fizeram mudanças. O fundo moderou a sua abordagem aos resgates, substituindo a austeridade pela ideia de dívida sustentável. Este ano, o banco aumentou significativamente a proporção de dinheiro destinado a projetos relacionados com o clima. Mas os críticos argumentam que as soluções até agora são insuficientes.

“A forma como evoluíram e se adaptaram é muito mais lenta do que a forma como a economia global evoluiu e se adaptou”, disse Guzmán.

A Argentina, a segunda maior economia da América do Sul, pode ser o fracasso mais notório do sistema económico global, mas foi Barbados, uma pequena nação insular nas Caraíbas, que pode ser creditada como impulsionadora da mudança.

Mia Mottley, a primeira-ministra, discursou há dois anos na cimeira sobre alterações climáticas em Glasgow e depois deu seguimento à Iniciativa Bridgetown, uma proposta para reformar a forma como os países ricos ajudam os países pobres a adaptarem-se às alterações climáticas e a evitarem dívidas paralisantes.

“Sim, é hora de revisitarmos Bretton Woods”, disse ele num discurso na cimeira climática do ano passado no Egipto.

Mottley argumenta que houve um “colapso fundamental” num pacto de longa data entre países pobres e ricos, muitos dos quais construíram a sua riqueza através da exploração de antigas colónias. Os países industrializados mais avançados também produzem a maior parte das emissões que estão a aquecer o planeta e a causar inundações extremas, incêndios florestais e secas nos países pobres.

Mavis Owusu-Gyamfi, vice-presidente executivo do Centro Africano para a Transformação Económica, no Gana, disse que mesmo os acordos recentes para fazer face à dívida, como o Quadro Comum de 2020, foram criados sem a contribuição das nações em desenvolvimento.

“Estamos a pedir uma voz e um lugar à mesa”, disse Owusu-Gyamfi, do seu escritório em Accra, enquanto discutia um resgate de 3 mil milhões de dólares do FMI para o Gana.

Contudo, se o fundo e o banco se centrarem em questões económicas, são essencialmente criações políticas que reflectem o poder dos países que os criaram, financiam e gerem.

E esses países estão relutantes em abrir mão desse poder. Os Estados Unidos, o único membro com poder de veto, têm a maior percentagem de votos, em parte devido à dimensão da sua economia e às suas contribuições financeiras. Ele não quer ver a sua influência diminuir e a de outros, especialmente da China, crescer.

O impasse sobre a redistribuição de votos dificultou os esforços para aumentar os níveis de financiamento, que todos os países concordam que devem ser aumentados.

Ainda assim, como disse Guzmán, “mesmo que não haja mudanças na governação, poderá haver mudanças na política”.

As nações emergentes precisam de enormes quantias de dinheiro para investir na saúde pública, na educação, nos transportes e na resiliência climática. Mas enfrentam custos elevados de empréstimos devido à percepção muitas vezes exagerada do mercado sobre o risco que representam como mutuários.

E porque são normalmente forçados a contrair empréstimos em dólares ou euros, os seus pagamentos disparam se a Reserva Federal e outros bancos centrais aumentarem as taxas de juro para combater a inflação, como fizeram na década de 1980 e após a pandemia de Covid-19.

A proliferação de credores privados e a variedade de acordos de empréstimo tornaram as negociações da dívida incrivelmente complexas, mas não existe um árbitro legal internacional.

A Zâmbia não cumpriu a sua dívida externa há três anos e ainda não há acordo porque o FMI, a China e os detentores de obrigações estão em desacordo.

Há um “grande buraco” na governação internacional quando se trata de dívida soberana, disse Paola Subacchi, economista do Global Policy Institute da Queen Mary University de Londres, porque as regras não se aplicam a empréstimos privados, sejam eles de cobertura ou de cobertura. fundo. ou o banco central da China. Muitas vezes estes credores têm interesse em prolongar o processo para esperar por um acordo melhor.

Guzmán e outros economistas apelaram à criação de um árbitro jurídico internacional para resolver disputas relacionadas com a dívida soberana.

“Todos os países adoptaram uma lei de falências”, disse Joseph Stiglitz, antigo economista-chefe do Banco Mundial, “mas internacionalmente não temos uma”.

No entanto, os Estados Unidos opuseram-se repetidamente à ideia, dizendo que é desnecessária.

Os resgates também se revelaram problemáticos. Os empréstimos de último recurso do FMI podem acabar por agravar os problemas orçamentais de um país e minar a recuperação económica porque as taxas de juro são agora muito elevadas e os mutuários também têm de pagar taxas elevadas.

Aqueles que, como Guzmán e Mottley, pressionam pela mudança argumentam que os países endividados precisam de significativamente mais subsídios e empréstimos a juros baixos com prazos de reembolso longos, juntamente com uma série de outras reformas.

“Os desafios são diferentes hoje”, disse Guzmán. “As políticas devem estar mais bem alinhadas com a missão.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *