O Papa expressa preocupação pela Igreja na Nicarágua

O Papa Francisco aproveitou o seu discurso de Ano Novo para sublinhar a preocupação com o agravamento da situação da Igreja Católica na Nicarágua como resultado de uma repressão prolongada por parte do governo do presidente Daniel Ortega, que deteve clérigos, expulsou missionários, fechou estações de rádio católicas e limitou a presença religiosa. celebrações.

Falando aos fiéis reunidos na Praça de São Pedro para a tradicional oração e bênção do Angelus de Ano Novo, Francisco disse que estava “seguindo com preocupação o que está acontecendo na Nicarágua, onde bispos e padres foram privados de sua liberdade”.

Expressou a sua “proximidade na oração a eles, às suas famílias e a toda a Igreja do país” e apelou a todos os católicos a “rezarem insistentemente” para encontrar “um caminho de diálogo para superar as dificuldades”.

“Rezemos hoje pela Nicarágua”, disse Francisco.

O Vatican News informou na segunda-feira que pelo menos 14 padres, dois seminaristas e um bispo foram presos nos últimos dias na Nicarágua, e que o principal líder religioso do país, o cardeal Leopoldo Brenes, expressou sua proximidade “às famílias”. estão sem seus sacerdotes neste momento.”

Desde 2018, à medida que Ortega marginalizava cada vez mais os opositores políticos de todas as esferas da vida, detendo muitos e suprimindo os direitos cívicos, os líderes católicos do país permaneceram entre as únicas vozes dissidentes independentes.

Gianni La Bella, professor de história contemporânea na Universidade de Modena e Reggio Emilia, disse em uma entrevista de 2022 que desde 2018 houve dezenas de ataques de vários tipos contra a Igreja e suas instituições, um sinal de que o governo Ortega percebeu o “ A Igreja como obstáculo”, como “único farol que pode iluminar as condições do povo da Nicarágua”.

Os líderes da Igreja tentaram inicialmente mediar entre o governo e a oposição política, mas não tiveram sucesso e a repressão governamental intensificou-se.

Na longa campanha para desmantelar o alcance da Igreja no país, dezenas de clérigos e missionários foram detidos ou expulsos e instituições católicas foram encerradas.

Desde 2018, a Igreja Católica na Nicarágua foi alvo de mais de 770 ataques, prisões, expropriações e perseguições que incluem “impedimentos a procissões, orações, missas em cemitérios”, bem como mensagens de ódio, segundo Martha Patricia Molina, uma Advogado nicaragüense. e autor do estudo “Nicarágua: Uma Igreja Perseguida?”

Em agosto de 2022, Dom Rolando Álvarez tornou-se o clérigo de mais alto escalão detido na América Latina por opiniões políticas em décadas.

Após a sua prisão, o Papa Francisco falou da “sua preocupação e dor” sobre a situação na Nicarágua. “Gostaria de expressar a minha convicção e a minha esperança de que, através do diálogo aberto e sincero, ainda possam ser encontradas as bases para uma coexistência respeitosa e pacífica”, disse Francisco após a oração semanal do Angelus na altura.

Em Fevereiro, o Bispo Alvarez foi considerado culpado de traição, destituído da sua cidadania e condenado a 26 anos de prisão.

Após a sentença, Francisco voltou a falar da sua preocupação e dor pela prisão, e também pelo destino dos clérigos que foram deportados para os Estados Unidos. Naquele momento, apelou aos corações dos líderes políticos para que se abram “à busca sincera da paz, que nasce da verdade, da justiça, da liberdade e do amor, e que se alcança através da busca paciente do diálogo”.

Em março, o Vaticano fechou a sua embaixada na Nicarágua, depois de o governo nicaragüense ter proposto suspender as relações com a Santa Sé, e o seu representante em Manágua, Mons. Marcel Diouf trocou o país pela Costa Rica, informou a Associated Press. O embaixador do Vaticano foi forçado a partir um ano antes.

Alguns dos clérigos presos foram libertados e em Outubro o Vaticano anunciou que 12 padres nicaraguenses que tinham sido recentemente libertados da prisão seriam alojados na Diocese de Roma.

Em 1979, Ortega liderou a revolução sandinista que derrubou a ditadura corrupta de Anastasio Somoza Debayle. Ortega perdeu as eleições em 1990, mas recuperou a presidência em 2007 e passou uma década minando a democracia do país.

Dezenas de milhares de pessoas levantaram-se contra Ortega e a sua esposa, a vice-presidente Rosario Murillo, em 2018, acusando-os de serem uma dinastia familiar ditatorial. Centenas de pessoas acabaram na prisão por se oporem ao governo e pelo menos 300 foram baleadas em protestos.

No ano passado, Ortega começou a confiscar as propriedades de presos políticos e dissidentes forçados ao exílio, incluindo uma importante universidade jesuíta em Manágua, confiscando edifícios escolares e contas bancárias e acusando a escola de ser um “centro de terrorismo”, segundo Fides. Agência de notícias católica.

Durante toda a repressão, o Vaticano optou por manter abertas as portas de comunicação com o governo.

Na segunda-feira, Francisco falou em encontrar “um caminho de diálogo para superar as dificuldades”, ecoando o que o Arcebispo Paul Richard Gallagher, secretário para as Relações com os Estados e as Organizações Internacionais, disse em setembro passado, na abertura da 78ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas. . Assembleia de Nova York. Na altura, o Arcebispo Gallagher disse que o Vaticano esperava “envolver-se num diálogo diplomático respeitoso para o bem da Igreja local e de toda a população”.

O jornalista Víctor Gaetan, autor de um livro sobre a diplomacia vaticana, escreve na Agência Fides que a estratégia do Vaticano era estabelecer um diálogo com o governo e encorajou o mais alto clérigo do país, o cardeal Leopoldo Brenes, de Manágua, a não se antagonizar. regime.

“Uma estratégia comum do Vaticano, especialmente sob um regime autocrático, é manter uma presença e resistir a ser engolido, trabalhando silenciosamente para limitar as tácticas mais agressivas do Estado, ao mesmo tempo que procura a preservação dos sacramentos e da sucessão apostólica”, escreveu Gaetan.

A abordagem, disse ele, foi descrita pelo Cardeal Agostino Casaroli, Secretário de Estado do Papa João Paulo II e arquitecto da diplomacia do Vaticano com os regimes comunistas, como o “martírio da paciência”.

Gaetan disse que o cardeal Brenes foi criticado “por ser tímido diante da pressão de Ortega sobre a Igreja”. E, no entanto, escreveu ele, “ele está sozinho”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *