Nvidia, impulsionada pelo boom da IA, relata receitas e lucros disparados

A Nvidia, que fabrica microchips que alimentam a maioria das aplicações de inteligência artificial, iniciou uma trajetória extraordinária há um ano.

Impulsionada por uma explosão de interesse na IA, a empresa do Vale do Silício disse em maio passado que esperava que suas vendas de chips disparassem. Eles o fizeram, e o fervor não parou, com a Nvidia aumentando suas projeções de receita a cada poucos meses. Suas ações dispararam, levando a empresa a uma capitalização de mercado de mais de US$ 2 trilhões, tornando-a mais valiosa do que a Alphabet, controladora do Google.

Na quarta-feira, a Nvidia relatou novamente um aumento nas receitas e nos lucros, o que destacou como ela continua sendo uma vencedora dominante no boom da IA, mesmo enquanto enfrenta expectativas crescentes e uma concorrência crescente.

A receita foi de US$ 26 bilhões nos três meses encerrados em abril, superando a estimativa de US$ 24 bilhões em fevereiro e triplicando as vendas em relação ao ano anterior pelo terceiro trimestre consecutivo. O lucro líquido aumentou sete vezes, para US$ 5,98 bilhões.

A Nvidia também projetou receita de US$ 28 bilhões para o trimestre atual, que termina em julho, mais que o dobro do que era há um ano e superior às estimativas de Wall Street.

“Estamos mudando fundamentalmente a forma como a computação funciona e o que os computadores podem fazer”, disse o CEO da Nvidia, Jensen Huang, em teleconferência com analistas. “A próxima revolução industrial começou.”

As ações da Nvidia, que subiram mais de 90 por cento este ano, subiram no pregão após a divulgação dos resultados. A empresa também anunciou um desdobramento de ações de 10 por 1.

A Nvidia, que originalmente vendia chips para renderização de imagens em videogames, se beneficiou depois de fazer uma aposta antecipada e cara na adaptação de suas unidades de processamento gráfico, ou GPUs, para realizar outras tarefas de computação. Quando os pesquisadores de IA começaram a usar esses chips, há mais de uma década, para acelerar tarefas como o reconhecimento de objetos em fotografias, Huang aproveitou a oportunidade. Ele aprimorou os chips da Nvidia para tarefas de inteligência artificial e desenvolveu software para auxiliar nos avanços neste campo.

O principal processador da empresa, o H100, tem desfrutado de uma demanda febril para alimentar chatbots de IA como o ChatGPT da OpenAI. Embora a maioria dos processadores padrão de última geração custe alguns milhares de dólares, os H100 foram vendidos por entre US$ 15 mil e US$ 40 mil cada, dependendo do volume e de outros fatores, disseram analistas.

Colette Kress, diretora financeira da Nvidia, disse na quarta-feira que trabalhou nos últimos meses com mais de 100 clientes que estavam construindo novos data centers (que Huang chama de fábricas de IA) variando de centenas a dezenas de milhares de GPUs, com alguns chegando a 100.000. A Tesla, por exemplo, está usando 35 mil chips H100 para ajudar a treinar modelos para direção autônoma, disse ele.

A Nvidia em breve começará a enviar um poderoso sucessor do H100, de codinome Blackwell, anunciado em março. A demanda pelos novos chips já parece forte, levantando a possibilidade de alguns clientes esperarem pelos modelos mais rápidos em vez de comprar o H100. Mas houve poucos sinais de tal pausa nos últimos resultados da Nvidia.

Kress disse que a demanda pela Blackwell está bem acima da oferta do chip e “esperamos que a demanda supere a oferta no próximo ano”. Huang acrescentou que os novos chips deverão estar funcionando em data centers até o final deste ano e que “veremos muitas receitas da Blackwell este ano”.

Os comentários podem aliviar os temores de uma desaceleração no ímpeto da Nvidia.

“As preocupações de longo prazo que os investidores de curto prazo tinham sobre uma ‘bolha de ar’ para a demanda por GPU parecem ter desaparecido”, disse Lucas Keh, analista da empresa de pesquisa Third Bridge, por e-mail.

Analistas de Wall Street também procuram sinais de que alguns rivais ricamente financiados possam assumir uma fatia significativa dos negócios da Nvidia. Microsoft, Meta, Google e Amazon desenvolveram seus próprios chips que podem ser adaptados para o trabalho de IA, embora também tenham afirmado que estão aumentando as compras de chips Nvidia.

Rivais tradicionais como Advanced Micro Devices e Intel também fizeram previsões otimistas sobre seus chips de IA. A AMD disse que espera vender um novo processador de IA, o MI300, no valor de US$ 4 bilhões este ano.

Huang frequentemente aponta o que ele disse ser uma vantagem sustentável: apenas as GPUs Nvidia são oferecidas por todos os principais serviços em nuvem, como Amazon Web Services e Microsoft Azure, para que os clientes não precisem se preocupar em ficar presos no uso de uma. . de serviços graças à sua exclusiva tecnologia de chips.

A Nvidia também continua popular entre os fabricantes de computadores que há muito usam seus chips em seus sistemas. Uma delas é a Dell Technologies, que na segunda-feira organizou um evento em Las Vegas do qual Huang participou.

Michael Dell, presidente-executivo e fundador da Dell, disse que sua empresa ofereceria novos sistemas de data center que acomodariam 72 dos novos chips Blackwell em um rack de computador, estruturas padrão um pouco mais altas que uma geladeira.

“Não me seduza com palavras como essa”, brincou Huang. “Isso me deixa muito animado.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *