Maiores siderúrgicas da Grã-Bretanha se tornarão mais verdes – à custa de empregos

A Tata Steel disse na sexta-feira que planeja fechar os altos-fornos da maior siderúrgica da Grã-Bretanha, em Port Talbot, no País de Gales, e substituí-los por um forno elétrico, uma medida que reduziria as emissões de carbono, mas poderia custar 2.800 empregos.

A empresa, que faz parte do conglomerado indiano Tata, afirma que a siderúrgica, grande parte da qual remonta à década de 1950, tem perdido dinheiro com frequência.

“O caminho que estamos considerando é difícil, mas acreditamos que é o certo”, disse o CEO da empresa, TV Narendran, em comunicado. “Devemos transformar rapidamente para construir um negócio sustentável no Reino Unido a longo prazo.” Ele disse que a Tata investiu quase 5 bilhões de libras (cerca de US$ 6 bilhões) no negócio britânico desde 2007, quando a Tata comprou a fábrica.

No ano passado, o governo britânico ofereceu 500 milhões de libras em apoio ao plano da Tata, que tem um preço estimado de até 1,25 mil milhões de libras.

Embora o anúncio não tenha sido uma surpresa, os sindicatos que representam os trabalhadores da fábrica disseram estar irritados com o facto de as suas propostas para salvar empregos terem sido rejeitadas. A fábrica emprega cerca de 4.000 pessoas e não estava claro quantos cortes de empregos ocorreriam em Port Talbot; A Tata emprega cerca de 8.000 pessoas na Grã-Bretanha.

“É uma vergonha absoluta que a Tata Steel e o governo do Reino Unido pareçam determinados a seguir o plano mais barato em vez do melhor para a nossa indústria, os nossos trabalhadores siderúrgicos e o nosso país”, afirmaram dois sindicatos, o Community e o GMB, num comunicado.

A Tata quer substituir grande parte da operação atual, que utiliza carvão para extrair ferro do minério, por um forno elétrico que produz aço derretendo sucata em uma explosão de faíscas. A produção de aço eléctrico, que é mais comum nos Estados Unidos do que na Europa, tende a empregar menos trabalhadores.

O governo diz que a mudança garantiria a continuidade da produção de aço no local e reduziria as emissões totais de gases de efeito estufa da Grã-Bretanha em 1,5%.

Os sindicatos expressaram ceticismo quanto à possibilidade de um forno elétrico ser capaz de produzir metal de qualidade suficiente para algumas aplicações exigentes, incluindo painéis de carrocerias de automóveis e latas de alimentos e bebidas.

Mas o que está em grande parte em questão é o momento da mudança. Em novembro, os sindicatos, com a ajuda da consultoria Syndex, fizeram uma contraproposta à Tata que envolvia manter um dos dois altos-fornos abertos até 2032. Propuseram também que a Tata construísse um forno elétrico menor do que o planejado e também um dispositivo chamado Planta de Redução Direta, que produz ferro bruto através de um processo mais limpo que um alto-forno. Esse ferro poderia ter sido usado para fazer metal de melhor qualidade.

Os sindicatos disseram que este plano teria evitado demissões forçadas.

A Tata, no entanto, decidiu agir mais rapidamente, para grande decepção dos funcionários.

A empresa disse que fecharia um alto-forno até meados deste ano e grande parte do restante da planta antes do final do ano. A Tata também disse que embarcaria em uma “reestruturação mais ampla de outras localidades”.

A Tata disse que forneceria à sua rede britânica aço semiacabado de fábricas na Índia e na Holanda até que o novo forno fosse instalado.

“Todos nós entendemos que precisamos chegar a uma indústria verde, mas isso não pode ser feito em questão de meses”, disse Barrie Evans, funcionário de uma usina siderúrgica e líder sindical comunitário. “Isso fica bem na beira do penhasco.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *