Com direito a um gol relâmpago, Vitória bate o Vasco e deixa o Z-4

felipe e junior, vitória x vascoCom direito a gol relâmpago, o Vitória bateu o Vasco por 4 a 2 no Barradão e deixou a zona de rebaixamento do Brasileiro. Bem postado taticamente, o Leão fez três gols na primeira etapa, quando a equipe carioca parecia anestesiada pelo calor de Salvador. Adaílton, Elkeson, Neto Coruja e Junior marcaram para o time da casa. Nunes e Fumagalli descontaram.

Com o resultado, os baianos foram a 37 pontos e ocupam o 14º lugar. O Vasco segue com 42, duas posições acima do Rubro-Negro baiano. A derrota praticamente sepultou o sonho vascaíno de chegar à Taça Libertadores. Só uma combinação improvável de resultados poderia colocar a equipe de novo na briga por um lugar no torneio continental.

A atuação do Vitória na partida que marcou o 500º jogo na história do Barradão foi tão boa que Lopes, conhecido por passar toda a partida gritando, ficou quase o tempo todo sem dar um berro sequer.

As duas equipes voltam a campo no meio da próxima semana. Na quarta, o Vitória encara o Santos, na Vila Belmiro. No dia seguinte, o Vasco recebe o Grêmio Prudente em São Januário.

Vitória deita e rola no primeiro tempo

A estratégia do Vasco era clara e, de certa forma, óbvia. O time entrou em campo com a instrução de tocar a bola e fazer o tempo passar nos primeiros minutos de jogo. A intenção era explorar o nervosismo da equipe baiana, que precisava da vitória para deixar a zona de rebaixamento. Mas toda essa tática não durou nem um minuto.

Adailton, que jogava quase como um ponta-direita, recebeu a bola e partiu com velocidade para cima de Diogo. O atacante ganhou na corrida e invadiu a área do Vasco. Jumar tentou ajudar o lateral na marcação, mas os dois se atrapalharam e a bola ficou com o avançado rubro-negro que chutou sem ângulo e fez um bonito gol, para delírio da torcida rubro-negra.

Com sua estratégia inicial indo por água abaixo, o Vasco teve que partir para o ataque. Mas faltava inspiração. Eder Luis, irreconhecível, não acertava quase nada. Zé Roberto estava sumido em campo. Do trio de frente, apenas Felipe conseguia criar algo. Mas nada que assutasse Viáfara. Aliás, o goleiro só teve que trocar de camisa no vestiário porque o calor no Barradão estava muito forte. Se dependesse do Vasco, o arqueiro sairia da primeira etapa com a roupa limpa.

O Vitória não tinha nada a ver com os problemas do Vasco. E seguiu criando chances perigosas. Não fossem as péssimas pontarias de Egídio, que isolou um chute na cara do gol após passe de Elkeson, e de Junior, que recebeu na entrada da área sozinho e mandou para fora de forma bastante estranha, o Leão poderia ter saído da primeira etapa com um resultado ainda melhor.

Mudanças sem efeito no Vasco

Porém, apesar de estar bem em campo, o Vitória ainda tomou um susto. Wallace sentiu dores na coxa e foi substituído por Thiago Martinelli. Na mesma hora, PC decidiu mexer no Vasco. Tirou Diogo e colocou Nunes, deslocando Jumar para a esquerda. A ideia era reforçar a marcação pelo lado esquerdo e tentar aproveitar a baixa estatura de Martinelli para arriscar bolas cruzadas na área para Nunes. Não deu certo.

O Vitória continuou deitando e rolando em campo. Ramon, o “Reizinho da Toca”, fazia jus ao apelido e comandava o meio-campo como um verdadeiro maestro. Ao seu lado, Elkeson fazia excelente partida. E coube ao meia ampliar o marcador, aos 39. Com um chute forte de fora da área, o jogador fez 2 a 0. Fernando Prass falhou feio no lance. A bola estava em suas mãos, mas o goleiro espalmou para dentro do próprio gol. Envergonhado, o arqueiro pediu desculpas ao time.

Prass ainda poderia se redimir do lance na primeira etapa. Mas não era do dia dele. Depois de salvar uma bola em cima da linha, viu ela ir na direção de Neto Coruja. O volante cabeceou para o fundo do gol e fez o terceiro.

Vasco volta melhor, mas “Diabo Louro” acaba com reação

O Vasco voltou para a segunda etapa com uma modificação na equipe (Rômulo no lugar de Fellipe Bastos) e uma mudança na postura. Mais ligado, o time dominou os primeiros minutos. Pelo lado direito, Fagner era a melhor opção cruzmaltina. Foi dele que saiu o passe para Rômulo chutar colocado e obrigar Viáfara a fazer boa defesa. Também foi do lateral que saiu o cruzamento para Nunes cabecear e diminuir o placar, aos 3.

O Gigante da Colina parecia que tinha voltado com tudo para buscar o empate. Logo após o gol, Fagner – sempre ele – cruzou para a área, mas Zé Roberto passou da bola e tentou acertar de letra. Sem sucesso.

A torcida do Vitória, que cantava sem parar no primeiro tempo, pareceu sentir o golpe. Mas o time rubro-negro não. Elkeson deu bom passe para Junior dentro da área. O “Diabo Louro” girou em cima de Jadson Viera e fez o quarto do Leão. Foi um balde de água fria na reação vascaína.

Já sem o mesmo ímpeto do incío, o Vasco ainda tentou chegar ao gol. Teve uma boa chance com Zé Roberto, mas Viáfara impediu. Mesmo com a equipe carioca tendo a posse de bola por mais tempo, foi o Vitória quem esteve mais perto de marcar. Thiago Martinelli cabeceou livre após um escanteio. Para sorte de Prass, a bola foi para fora.

O Vasco ainda conseguiu diminuir no último minuto de jogo. Fumagalli, de falta, marcou um bonito gol, evitando um vexame cruzmaltino em Salvdor.

VITÓRIA 4 x 2 VASCO
Viáfara; Jonas, Wallace (Thiago Martinelli), Anderson Martins e Egidio; Neto Coruja, Uellinton (Renato), Ramon e Elkeson (Ricardo Conceição); Adailton e Junior Fernando Prass; Fagner, Cesinha, Jadson Viera e Diogo; Jumar, Rafael Carioca, Fellipe Bastos (Rômulo) e Felipe; Zé Roberto e Eder Luis (Fumagalli).
Técnico: Antônio Lopes Técnico: PC Gusmão
Local: Barradão, Salvador. Data: 30/10/10. Horário: 16h (de Brasília). Árbitro: Wilson Luiz Seneme (Fifa). Auxiliares: Herman Brumel Vani e Danilo Ricardo Simon Manis.
Gols: Adailton, ao 1, Elkeson, aos 39, e Neto Coruja, aos 47, do primeiro tempo para o Vitória. Nunes, aos 3, e Fumagalli, aos 46, do segundo tempo para o Vasco. Junior, aos 10 do segundo tempo para o Vitória.

Cartões amarelos: Junior, Neto Coruja, Anderson Martins e Ramon (Vitória). Jadson Viera e  Nunes (Vasco)

 

 

globoesporte